Travesseiro

Os nossos filhos já tinham nome
Nenhum sonho passava fome
Como um ciclo não se consome
O sono agora some
Não creio que foi tão momentâneo
O futuro era certeiro e espontâneo
O presente tão costumeiro tão rotineiro
E sem mais nem nada, foi-se ligeiro
Foi o que eu fiz? Mas o que fiz?
Foi falta de fazer? Eu tinha como saber?
Há jeito de consertar? Você sabe que eu quis
Eu queria um destino, você tão indecisa
Tão sem sentido e não precisa
E eu já pensando em Ezequiel e Maria Luiza

Luminosidade em Minas – As Crônicas de Um Fotógrafo

Luminosidade em Minas – As Crônicas de Um Fotógrafo

Num mundo de viver-se procurando sombras em cavernas
Contemplo agora minha luz.
Se todos vai procurar saber e serão enganados, minha mãe sempre disse
Não sou todo mundo, não é tudo que seduz
Talvez não sejam grutas, sombras; mas óculos escuros em tabernas
Minha ascensão vem em forma de mulher que escolhe se abre as pernas
Não em bar, nunca foi meu estilo, mas numa biblioteca
De conhecimento da vida, externa
Um Vale do conhecimento tão sagrado quanto Meca.

Minha luz,
Que deu luz à escuridão que o amor me trama
Às inseguranças muitas que ficam claras a chama do sentimento de quem ama
Quem sabe vivemos num mundo no qual vive-se em busca de puro sexo
Mesmo ninguém entendendo qual o nexo
Talvez impulso natural de vida;
Talvez só desejo de diversão
Mas saem em busca de sexo puro
Mesmo que tem demais e de tanto ver são, do anterior, versão
Ainda entusiasmada com coisas estranhas…
Buscam pelo puro, mas a sós veem de incestos a estupros,
De simplicidade de contexto a coisas de revirar entranhas.

WhatsApp Image 2018-04-29 at 15.19.03
Foto por Nicole Ilário

Para isso não precisei da luz,
A esse tipo de loucura não me expus.

Ah! não sei se somos presos à caverna de Platão, acorrentados e privados de visão
Definhados a ver sombras por toda vida e agradecer pela falta de opção
Mas olho para ela e vejo mais que esperança, mas salvação
Não pra pureza, mas pela certeza, pela convicção
Que mesmo sendo sombra, claramente tem razão.

Desespero

Não tenho tempo
Nunca o tive, nunca o terei
Pressa inútil, te direi
Pois deste caminho não sou rei

Não funciona comigo
Do mesmo jeito que com os outros
A escola é o menor mal
O seu conjunto aterroriza

Presente inútil
Preocupações bobas
Futilidades inteiras

Quero a realidade
Não aguento mais cópias
Quero sair dessa imitação.

-R.C.

Karma

Não existe gente boa
Todos tem defeitos
Fazem crueldades

O destino não existe
E o acaso te coloca nas piores situações
Não tem o que fazer
Se não algo “ruim”

Se ele existe
E o karma sua consequência,
Todos morremos eventualmente
Sinal que algum momento
Fizemos algo digno de morte

O ser humano é um lixo.

-R.C.

Transporte privado

O trem de ouvido
Que sem ser chamado
Sem medo de ser inxirido
Se mete em tudo
Cem em cem usam de escudo
Deixam o externo mudo
Parece até absurdo;
Um monte de surdo
Voluntário pra largar o mundo
Não sei se surto
Parece tudo morto
Bando de quieto
Mas dentro tá inquieto
Não me meto:
Se sai porque tem medo
Não me intrometo
Só acho meio cedo
Pra humanidade largar o credo
No outro
Pra ficar ali alheio
Com tantos no meio
Tudo solto
Dentro de um trem
Com o trem de ouvido

Ser adolescente é foda.

As pessoas tentam explicar o porque você se sente de um determinado jeito cientificamente, falando dos seus hormônios, que você  não sabe o que está fazendo.
Ser adolescente é foda.
Elas já pensaram que, simplesmente, não existe explicação? O jeito que se pensa é único e seu, não resultado de hormônios que mexem com a sua cabeça. Você pode tomar decisões, você sabe oq faz. Um dia talvez volte atrás, mas os adultos fazem isso, por que adolescentes não tem esse direito sem julgamento?
Ser adolescente é foda.
Alguns tem a sorte de um amigo “psicólogo” e parceiro, que não tenta decifrar o que se sente, mas apóia. Participa.
Ser adolescente é foda.
Se eu pudesse apostar, falaria que um melhor amigo tem maior participação e peso na vida de um adolescente que os próprios familiares. Como as famílias tentam prevenir isso? Proibindo. Reprimindo. Isso é bem mais fácil que fazer papel de melhor amigo.
Ser adolescente é foda

 

 

Não perca mais textos do Literatura de Metrô! Clique aqui e entre na nossa lista de e-mails!

Personagem arbitrário

O que vai acontecer quando decisões deixarem de ser para o futuro e forem imediatas?
O que vai acontecer quando não existir mais tempo para pensar, somente agir?
Será que estou pronto para isso? Será que quero estar pronto?
O mundo não vai deixar eu ficar assim para sempre. Em algum momento eu vou ter que protagonizar minha vida.
Hoje, o destino bate na minha porta, pedindo gentilmente para ser levado em conta. Ser planejado. Ele aceita ser usado.
Algum dia, ele irá arrebentá-­la, demandando que eu tome conta dele. Vai exigir, lutar, guerrear. Até que, em um segundo, vou deixar ele ficar. Vou aceitá­-lo como meu.
E então, vou sair pela minha porta, e quando voltar, ele vai ter sumido.
Viverei e viverei, e, com meus amigos, olharei pela janela. O destino passará por lá. Devo chamá-­lo para entrar novamente?

Não perca mais textos do Literatura de Metrô! Clique aqui e entre na nossa lista de e-mails!