Ao menos vi um pouco além

Tô tentando achar um equilíbrio
Um meio do caminho
Entre morrer sem limites tão cedo
Ou viver feito velhinho
O suficiente pra olhar pra trás
E ter consciência de que se houvesse mais,
Via menos
Consciência de que viver para sempre
Não podemos
Mas posso ao menos ver meus netos
Mas posso ao menos escrever livros

Enfim,
Há muita vida a ser vivida
Pra gastar numa rotina suicida
Mas também a vida é curta demais
Pra viver num constante estado de paz.

Cobertor vivo

As montanhas são cobertas por árvores
E as plantas a base em seu chão
Cai sal na pia de mármore
Do tipo que esteve em sua formação
Sem misticismo só constatação
Tudo vem do Tao, para ele volta
A presença ausente e a ausência presente.

Solilóquio

Estar a sós é um exercício
Quando começa, parece tão difícil,
Mas necessário, instigado e executado
Como tivesse endorfina, dá prazer sem estrago
Porém  pode doer sem querer, quem sabe
Pra ser sincero, nunca se sabe
Às vezes acordo sem vontade e estar comigo é punição
Em outros tenho certeza que só preciso de atenção
E até quando o dia é pesado, aumentando tensão
Pode ser que eu resolva no diálogo
Ou solilóquio de papel na mão.
Não sempre cabe ficar sozinho, por isso é uma arte
A oscilação do desejo também faz parte.

Karma

Não existe gente boa
Todos tem defeitos
Fazem crueldades

O destino não existe
E o acaso te coloca nas piores situações
Não tem o que fazer
Se não algo “ruim”

Se ele existe
E o karma sua consequência,
Todos morremos eventualmente
Sinal que algum momento
Fizemos algo digno de morte

O ser humano é um lixo.

-R.C.

Humanidades

Se há uma ocasião humana, é a morte
Ela independe de classe social,
Se tem azar ou sorte
Ou conhecimento cultural.

A morte não se importa com os vivos
Tanto faz quem ficou
Ela não dá mimos
E pra quem fica nunca facilitou

A morte não se importa com a vida
Se foi honrosa ou não
Mediocridade ou ascensão
Corta fio sendo de algodão ou seda

Ela não se importa com o morto
Se estava no banco do carro
Se se sujava de barro
Ou de alguém tirando sarro…

A morte só se importa com a própria morte
Portanto humana e egoísta.

-R.C.

Pessoas são reflexivas

Quando pequenos, nos encantamos com as características desse objeto. Acredito eu, que todos absorvemos isso, tornamos isso nosso. Desse jeito, nos espelhamos naquilo que impressiona, tentando sempre nos tornar o mais parecido possível com aquilo, mas, assim como um espelho, nunca igual.
Ao mesmo tempo, supostamente temos sentimentos iguais com coisas diferentes, quando, na verdade, com aquele com sentimento é puro reflexo. Pode parecer muito, mas não é. Como uma miragem, o sentimento é ilusório, falso. De novo, com o exemplo do espelho, ele pode parecer o que se procura, mas na verdade, causa seu inverso.

Não perca mais textos do Literatura de Metrô! Clique aqui e entre na nossa lista de e-mails!