Pareço, pra ti, poeta?

Pareço, pra ti, poeta, meu amor?
Andando pelas ruas descalço
Amando a ti por todo espaço?

Pareço poeta que fala da dor?
Ou nos meus odes não realço
As mazelas, pareço aço?

Pareço poeta ao falar
Da minha cidade
De como passei nela minha mocidade?

Lhe pareço poeta quando me declaro?
Ou lhe falta amparo
Emocional para despir
E sentir
Tudo aquilo que me tira o ar

Seria absurdo
Ou de acordo
Com normal
A sós em momento tal
Me declarar
Com intensidade
De quem amanhã estará morto?
Te tiraria o ar?

Cheguemos no finalmente
Parece até de repente
Mas te amo profundamente

Até quando

Quero te ver
Até minha menina ser um espelhos da suas

Te olhar
Até meus olhos serem pinturas suas

Te beijar
Até nossas bocas terem o mesmo sabor

Te abraçar
Até nossos corações sincronizarem

Só quero te amar
Até só haver amor no mundo

Ação e respiração

Quando respiro,
É do teu mundo o ar

Quando choro,
A lágrima vem do teu mar.

Quando vivo,
É com batidas do teu coração

Quando agressivo
É tua essa e toda emoção.

Quando penso,
É sobre ti que divago

Quando tenso,
No teu colo acho sossego.

Quando sempre
Minha porta aberta
Pra que você entre.

Luminosidade em Minas – As Crônicas de Um Fotógrafo

Luminosidade em Minas – As Crônicas de Um Fotógrafo

Num mundo de viver-se procurando sombras em cavernas
Contemplo agora minha luz.
Se todos vai procurar saber e serão enganados, minha mãe sempre disse
Não sou todo mundo, não é tudo que seduz
Talvez não sejam grutas, sombras; mas óculos escuros em tabernas
Minha ascensão vem em forma de mulher que escolhe se abre as pernas
Não em bar, nunca foi meu estilo, mas numa biblioteca
De conhecimento da vida, externa
Um Vale do conhecimento tão sagrado quanto Meca.

Minha luz,
Que deu luz à escuridão que o amor me trama
Às inseguranças muitas que ficam claras a chama do sentimento de quem ama
Quem sabe vivemos num mundo no qual vive-se em busca de puro sexo
Mesmo ninguém entendendo qual o nexo
Talvez impulso natural de vida;
Talvez só desejo de diversão
Mas saem em busca de sexo puro
Mesmo que tem demais e de tanto ver são, do anterior, versão
Ainda entusiasmada com coisas estranhas…
Buscam pelo puro, mas a sós veem de incestos a estupros,
De simplicidade de contexto a coisas de revirar entranhas.

WhatsApp Image 2018-04-29 at 15.19.03
Foto por Nicole Ilário

Para isso não precisei da luz,
A esse tipo de loucura não me expus.

Ah! não sei se somos presos à caverna de Platão, acorrentados e privados de visão
Definhados a ver sombras por toda vida e agradecer pela falta de opção
Mas olho para ela e vejo mais que esperança, mas salvação
Não pra pureza, mas pela certeza, pela convicção
Que mesmo sendo sombra, claramente tem razão.

Suspiro d’um coração a se apaixonar

Depois do que você quer
E antes do que imagina
É nesse momento
Que entrarei na sua vida
Ó amada

Pra ser sincero
Não faço ideia…
Quais planos foram feitos
E quais postos a Nero?
Teremos nossa Odisséia
Ou demora menos que eu quero.

T’espero no presente
Mesmo consciente
Que seu, só meu futuro
Por mais que tente
Avançar mais rápido
O mundo é mais duro
E o tempo imaleável.

O Futuro

São fios grisalhos ao espelho?
Na barba à fazer e cabelo feito?
Não, só maldito efeito
Da vontade de ser velho

Ah, como temo a juventude
De mim tudo toma
Mesmo em sua plenitude
Vejo esse sintoma

Fugazes relações
Frágeis relacionamentos
Escoando por ser jovem,
Ainda mais vem
Com ou sem ações,
Substituição terá seu momento

Espelho, espelho meu
Os grãos que lhe fizeram,
São os que me faltaram
Ou é engano meu?

Se não faltaram, faltarão
Se não caíram, cairão
Se sumiram, explicação
Demando, compreenção

A caminhada fará mal
Estarei pronto
Mesmo que meu ponto
Seja o final.

Alu(n)a

Ela me era Lua
Eu, astrônoma
Queria ser aluna
Dessa luz que só soma

D’uma beleza estonteante
Como fosse Soma
A noite eu sumia
Dedicando a Ela inteiramente

Eu, que não tinha asas
Entraria até na Nasa
Pra vê-la de perto
Fui longe
Fiz força como monge
A tive em meu teto

E então
Sem teto de vidro
Nem pedra no coração
Tive a Lua comigo.