Permissão pra ser

Eu não pedi pra nascer
Na verdade, não pedi nem pra ser
Esse negócio estranho, pessoa complicada
Meu olho é castanho e a menina emaranhada
De olhar pra rua e ver acidente
De fitá-la nua e ter outra em mente
De querê-la sua sem saber o que sente.

Sou meio mesquinho, egoísta
Queria eu ser budista
É demais pedir uma aura branca?
É demais pedir pr’esse espírito que incapacita
Essa coisa que se mata mas ressuscita
Desaparecer?

Não acho que é pedir demais
Mas nem me surpreendo mais
Eu nem pedi pra nascer.

-R.C.

O Futuro

São fios grisalhos ao espelho?
Na barba à fazer e cabelo feito?
Não, só maldito efeito
Da vontade de ser velho

Ah, como temo a juventude
De mim tudo toma
Mesmo em sua plenitude
Vejo esse sintoma

Fugazes relações
Frágeis relacionamentos
Escoando por ser jovem,
Ainda mais vem
Com ou sem ações,
Substituição terá seu momento

Espelho, espelho meu
Os grãos que lhe fizeram,
São os que me faltaram
Ou é engano meu?

Se não faltaram, faltarão
Se não caíram, cairão
Se sumiram, explicação
Demando, compreenção

A caminhada fará mal
Estarei pronto
Mesmo que meu ponto
Seja o final.

Alu(n)a

Ela me era Lua
Eu, astrônoma
Queria ser aluna
Dessa luz que só soma

D’uma beleza estonteante
Como fosse Soma
A noite eu sumia
Dedicando a Ela inteiramente

Eu, que não tinha asas
Entraria até na Nasa
Pra vê-la de perto
Fui longe
Fiz força como monge
A tive em meu teto

E então
Sem teto de vidro
Nem pedra no coração
Tive a Lua comigo.

Ciências

Conhecimento
É bom sempre, visível
Traz tormento
Paz impossível
Mas é alimento
E imprescindível

Já passaram milhares de anos
A discussão permanece igual
Platão apontava a outros planos
Seu discípulo ao visual

Misticismo
Ou realismo?
Entre ambos o enorme abismo.

Filosofia humana
Ou metafísica divina?
Seguir aqueles da retórica
Ou a natureza mitológica?

-R.C.

Caos, só caos

Quer-se da vida
Fazer romance,
Mas o passado
É o que acontece
Nada mais que acontecimento
Atrás de esquecimento.
Vive-se no hábito
Situação cômica
Querem ligar todo fato
Mas é livro de crônica.

-R.C.

Gostar de alguém

Pior que falar pra ela
É admitir para mim,
Então, aí vai…
Pô, eu gosto de alguém,
Vulnerável a desilusões,
Felicidades,
Aberto e refém às suas opções.

Paleta de cor

A escuridão total
É o quadro em branco mais belo
A ser preenchido.
Não há igual
Tela a fechar os olhos
E vê-la pintando.

É só sem luz
Que as cores se expressam puramente.