O que aprendi na escola

Regra número 1: Se você quer entender pessoas, primeiro, entenda plantas.

Ninguém entende a complexidade humana se, primeiro, não entender um jardim.

Antes de entender que, para cada espécie há um adubo, uma quantia de água, um tempo de sol, as pessoas provavelmente vão fazer o mesmo, e dar a todo mundo a mesma quantidade de carinho, atenção, sarcasmo e todos os tratamentos possíveis.

Primeiro veja o jardim, depois, a multidão.

(Nota- por mais que não pareça, o senso comum também não ajuda, o deserto também é cheio de vida e o cacto dá flores lindas. Dar-se tempo para ver crescer é uma escolha sábia, quanto mais plantas se cultivar, melhor.)

 

Regra número 2: Impulso e quantidade de movimento, por mais que se pareçam, não são a mesma coisa.

Ambos têm a ver com força, mas não se engane achando que basta um ou o outro.

Sem impulso, não se tem nada- e as melhores histórias começam desse jeito. Mas ele, somente, não faz com que uma trajetória se mantenha por muito tempo.

A quantidade de movimento é necessária pra manter um caminho longo. Agentes externos são bem-vindos pra empurrar.

 

Regra número 3: A história se repete.

Por mais que tente-se fugir disso, acabamos caindo na mesma muitas vezes. Não é motivo para desistir, muito menos desacreditar. Tudo tem começo, meio e final. Se um bom começo se repete, é sinal que dá pra melhorar. Se o meio vira rotina, pode ser que vá acabar. Se o final não for diferente, já se sabe o que esperar…

Não querendo tirar a individualidade de ninguém, mas o ser humano tende a ser médio nas coisas, então, a repetitividade é inescapável. Por isso, saia do comum- a história, sem dúvida, é feita pelo povo, mas o destaque vai para os Grandes. Seja Joana D’Arc, Napoleão, Mary Curie ou um Graco: diferente do resto.

São esses que serão lembrados.

 

Regra número 4: No papel, qualquer coisa reage. Na prática, não é bem assim.

A teoria menos elaborada na química é só unir elementos em reações- depois, acabamos vendo que não são todas que saem como esperado, por comportamentos facilmente explicáveis.

Por exemplo, a reação entre o Frâncio e o Flúor é totalmente cabível no papel.

Na prática, o Fr não necessariamente será encontrado (afinal, é um elemento sintetizado, em sua maioria) e nada estável. O Fl acaba sendo extremamente reativo com tudo, mas só pode reagir com o que está ali.

Com gente, é igual. Por mais que saibamos que certas misturas não funcionam, ignoramos e fazemos de qualquer maneira, para, depois, analisar e chegar na conclusão óbvia- nunca daria certo.

 

Regra número 5: poesia não é pra qualquer um.

Chega-se à adolescência (ou até na vida adulta) achando que poema é coisa de apaixonado ou careta. Não se está totalmente errado, mas quando damos de cara com alguns poetas, vemos que é mais complicado que isso.

Não é pra qualquer um olhar pros olhos de alguém e ver como é artística a Íris. Ver como curvas em geral são letras e admirar a obra como um todo.

Regra número 6: somos parte da história de onde passamos.

A Terra é muito antiga. O universo muito mais. Enquanto tratarmos a vida como se fossemos os protagonistas da realidade, iremos cada vez mais ser jogados pro canto do palco.

A felicidade começa na realização de que somos coadjuvantes- e tudo bem. Continua no reconhecimento do absurdo que é ser uma pequena parte de algo tão maior. Algo que nem vida tem, mas um passado impressionante- e tudo bem. Além de saber ser secundário, é importante ver que fazemos marcas nos lugares e nas pessoas.

Você é um em sete bilhões de humanos no mundo, mas um em algumas centenas (quem sabe milhares) de pessoas na vida de alguém. Use isso pra fazer uma marca boa nas pessoas tanto quanto no mundo.

 

Regra número 7: mesmo sendo fruto do tempo, é necessário ser contra ele.

É aquela velha história: adolescentes se rebelam contra os pais. Estes, por sua vez, haviam se rebelado contra os avós. E isso segue infinitamente.

Isso porque, já que somos crias de uma realidade (a dita “superestrutura” de Marx), devemos contestá-la. Olhar para ela como se olha um camarão pedido no bar da esquina- você sabe que talvez ali esteja um ótimo prato, mas não quer a dor de estômago depois.

Claro que, com o passar dos anos, todo mundo fica menos ácido, revoltado. Não significa se acomodar, mas sim abster de colocar tanta energia em uma luta protagonizada por alguém mais novo. Você vive no mundo para mudá-lo.

 

Regra número 8: o complexo existe, mesmo não sendo visível.

Em determinado ponto, se aprende a raiz quadrada de números negativos, e a chamada “unidade imaginária” confunde todos os tipos de alunos. Por isso, os professores insistem em falar que os números “imaginários”, são verdadeiros.

É simples, na verdade.

Os números racionais são coisas da vida mais tangíveis. O celular, a caneta, o livro, uma árvore. Os irracionais entram no mistério aparente- o vento, o calor. Coisas explicáveis e sentidas, mas com uma influência externa, consequências externas e inclusive visíveis em alguns casos.

Os números “imaginários” são os sentimentos. Não se toca, não se vê e a única com a qual se há contato são as consequências.

Mesmo sem ver, tocar e sentir o sentimento (do outro, por exemplo) se sabe dele e deve-se reconhecer sua existência.

 

Regra número 9: só sei que nada sei.

Mesmo tendo conhecimento interpessoal, intrapessoal, acadêmico e psicanalítico, gente não é algo muito lógico. A consciência de que toda certeza pode cair nas circunstâncias certas faz parte da sabedoria.

A regra número 9 se sobrepõe à todas as outras por ser infalível (negando até a si mesma).

Uma pena

Se não bater as asas, o pássaro cai.

Se bater fraco, ele se mantém.

Se bater forte, ele vai subir.

O pássaro, em momento nenhum, sai do nível que quer. Isso faz parte da liberdade do pássaro; ele sempre sabe quão alto ele quer estar, qual caminho ele deve seguir. Quase nunca você vai ver pássaros se batendo no céu, afinal, as nuvens não ocupam espaço, logo, não há porque brigar por este.

Mesmo assim, pássaros não voam todos no mesmo nível. Uns voam mais baixo, uns mais alto- outros, nem voam- e são felizes assim.

Eu queria a liberdade dos pássaros.

A tua imagem

Você é uma daquelas pessoas que eu sempre olhei de longe, ficava pensando como a gente daria certo. Daquelas de olhar foto e ver que a cor dos nossos olhos se balanceia e que seríamos fotogênicos.

Na verdade, quando via seu feed, percebia como eu podia ser bom pra você; tanto ali, no social, quanto no pessoal. Temos os mesmos interesses mas não temos nada em comum.

Eu sempre vi você e pensei como eu seria um bom namorado, melhor do que qualquer um seu até agora. Eu ia dormir na sua casa e te levar café na cama. Mesmo que todos fizessem isso, o meu é diferente. Eu desenho um coração, suas iniciais, um passarinho defeituoso na crema no expresso. Eu faço expresso. Eu pegaria textos e decoraria pra você.

Eu sempre achei que daríamos certo, mas nunca acertei se dá pra eu ser feliz.

Hospita-lar

Te quero ao meu lado porque tu tiras uma dor enorme do meu peito. É como um soro injetado na minha corrente sanguínea, removendo o mal estar.

Minha dúvida é se és morfina ou remédio. Tiras neutralizando ou atacando a causa? És tu, bem-amada, um paliativo ou cura?

Ainda não descobri, mas quero-te desde o acordar ao adormecer. Em ambos casos, me fazes bem.

Ser e estar

Meu filho, seja ele um Ezequiel, Gabriel, Leonardo ou Augusto, terá de aprender o valor da mudança. Da transição, da adaptação.

Não irei, em hipótese alguma, dar a casa perfeita para ele viver sua infância, adolescência e ida à vida adulta. Não, ele verá a casa mais simples tornar-se a mais retocada. Ele irá, quando pequeno, brincar no chão com seus brinquedos, este ainda de concreto. Ao sentir suas nádegas doendo, reclamará ao pai, vou ouvir sua reclamação e fazer o que diz a cartilha – ignorar, por hora.

Nos dias seguintes, a frequência de reclamação deverá diminuir, e o menino agora estranhará o chão atapetado da escolinha, sentirá o pátio mais natural. É neste momento que trarei o carpete para o chão da casa. Instalarei-o do dia para noite e, ao jogar-se no duro, sentirá maciez e receptividade. Ainda sim, como faz toda criança, reclamará. E muito.

Minha esposa desaprovará o devido carpete, me forçando a escolher outro, saciando a reclamação do pequeno. Ainda sim, não importa a quantidade de vezes que eu trocasse, ele pediria o chão.

Anos após, decidiremos mudar de casa. Ele, já mais velho, relutará. Conhece amigos na rua, brinca de esconde-esconde (sabendo seus esconderijos). Quando mudarmos, verá a casa vazia (maior do que a primeira) com os velhos móveis. O cheiro da madeira confortará seu pavor pela novidade. Por mais que o chão difira, não influenciará na sua opinião.

À noite, chegando cansado da escola e de suas atividades extracurriculares, ligará o chuveiro na busca de refresco. Este será o primeiro baque. Não me leve à mal… tem algo muito pessoal na área de banho que mexe diretamente com o ser inteiro. É a forma com a qual cai a água (mais concentrada ou dispersa); a cortina ou um box; como liga o próprio chuveiro.

Ao começar seu banho, meu filho terá a visão estranha de que, em toda sua vida (12 ou 13 anos) nunca percebera como devidos banhos começam diferentes de outros. Olhará para o azulejo da parede e verá imagens implícitas (potenciais reflexões enquanto a água cai). Verá a cortina de pano ventando para cima dele, notará no padrão da queda d’água (tão distinta de nossa antiga residência).

Esta pesquisa visual de 2 minutos se repetirá para todas as casas de sua vida. E sempre, no quinto banho, ele já estará conectado com o ambiente e sua nova rotina.

A cama, a luz, a cor da parede, a textura da maçaneta, entre outros milhares de detalhes serão de suma importância para definir o que é sua casa. Em cada uma que eu levá-lo, ele irá experimentar de tudo.

Só assim ele entenderá que a mudança, a transição e adaptação são faces dum todo maior: o da existência. Tudo muda durante um tempo e se estaciona. O ambiente segue mudando, gerando a necessidade de adaptar e, eventualmente, mudar também… o ciclo é inacabável.

Só assim ele entenderá que, a beleza da perfeição é nunca ser alcançada, mas perseguida, levando para caminhos esplêndidos e completamente diferentes.

Uma gota de grafite num iceberg de papel

Me parece que o tempo, cada vez mais, mais tira certezas do que as confirma.

Eu, que sempre cultivei amizades ao invés de coleguismos- me rendendo uma vida por vezes solitária-, julgava estas primeiras dignas pela profundidade de conversas e idéias, como se colegas não fossem dar a mim aquilo que busco: inspiração e conforto.

Errei. Errei feio.

O escoamento dos minutos tem me mostrado que conexões rasas dão às vezes conversas frutíferas, e também vejo que amizades profundas podem dar muita asneira no papo. Nada contra isso, claro. Mas me surpreende ver rios, possíveis de acabar no oceano (ou um mar, sem problemas) desaguem em lagos ou talvez sequem, enquanto uma poça pode terminar numa geleira.

É possível sentar-se na mesa de um bar e, por um comentário descuidado, não pensado e certeiro, começar uma troca de idéias muito (mesmo) grande e profunda. É possível nunca mais falar com a pessoa após, mas as palavras ficam.

Na falta de rios, poças e lagos na madrugada, me reporto ao papel, chuviscando estes humildes pensamentos. Uma gota de grafite num iceberg de papel.

-R.C.

Meta

Falo do amor
Amor por compor
Sem dor de me expôr
Meu mundo impor
Pra quem ler supor
Que entende a dor
Que sente meu amor
Como passassem um sensor
Para ver meu suor
Se não verem, depor
E no clímax de tanto calor
Não vêem o real teor
Dos textos. O maior temor
É não expressar tal amor:
O texto rimador.