Nem tão sociável

Acho que eu me acostumei
Após tanto tempo assim…
Devo ter cara de nerd, pobre ou gay
Para ficarem olhando tanto pra mim…

Não tenho preconceito;
Longe de mim, filho de favelado
Eles talvez estejam me olhando
E eu sinto
Nem por isso eu reclamo
Só interiorizo, de minha ansiedade amo

Comentários bem baixos
Encaixam em meus ouvidos
Pode ser conteúdo temido
Ou um medo de tudo tido

Quando isso para?
Não aguento mais
Me esconder de gente com tais
Intenções maldosas, tara
Por sofrimento geral
Rotina diária, mensal, anual…

E eu não consigo prestar atenção
Em aula, música, livro, nada
Me livra disso por favor, a cada
Sussurro eu aguço a audição

Caminhando nesse mar
Esse sentimento não vejo cessar
E infelizmente não vejo opção
Talvez ausentar-me do ambiente hostil
Venha a ser minha única solução
Pouco a pouco, me isolo de modo natural
Pode até parecer infantil
Mas meu medo tá num nível tal
Que a outra opção mora num fuzil
Em pior situação nunca estive.

-R.C.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s