Personagem arbitrário

O que vai acontecer quando decisões deixarem de ser para o futuro e forem imediatas?
O que vai acontecer quando não existir mais tempo para pensar, somente agir?
Será que estou pronto para isso? Será que quero estar pronto?
O mundo não vai deixar eu ficar assim para sempre. Em algum momento eu vou ter que protagonizar minha vida.
Hoje, o destino bate na minha porta, pedindo gentilmente para ser levado em conta. Ser planejado. Ele aceita ser usado.
Algum dia, ele irá arrebentá-­la, demandando que eu tome conta dele. Vai exigir, lutar, guerrear. Até que, em um segundo, vou deixar ele ficar. Vou aceitá­-lo como meu.
E então, vou sair pela minha porta, e quando voltar, ele vai ter sumido.
Viverei e viverei, e, com meus amigos, olharei pela janela. O destino passará por lá. Devo chamá-­lo para entrar novamente?

Não perca mais textos do Literatura de Metrô! Clique aqui e entre na nossa lista de e-mails!

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s